terça-feira, 27 de maio de 2014

"O DESEJO DA LAGARTA"


Desejava...
No casulo onde a ninfa se alinhavava,
tecer de seda seus sonhos,
em fios frágeis de sensibilidade,
ganhar asas ao despertar.

Observava...
Incubada de silencio,
o voo livre do beija-flor,
infiel ao beijar todas rosas,
margaridas e dálias do jardim.

Esperava...
Incubada de silencio,
o desabrochar da metamorfose,
do rastejar pesado imbelo,
ao voo sereno e Narciso.

Ansiava...
Ainda incubada em silencio,
pelo alarido dos pássaros,
arautos da alvorada,
mensageiros da primavera.

Findava...
Enfim o silencio,
rompia o invólucro que lhe permite a luz,
vestiu-se de asa delta e voou
pra além do jardim.

Nascera...
Fugaz como chuva de verão,
colhe do voo,tudo que lhe fora negado,
depois precipita suave sobre a flor mais bela,pousa!

Agora...
Ávida de cor e vida,
desfila sublime entre violetas,
o bulbo seco é lembrança do incubado silencio,
no delicioso bailar da borboleta.

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário