sábado, 3 de maio de 2014

"MA ÁGUAS"


Um poço parado,
uma fonte inativa
um jorro silencioso
um arrebatamento.

Um limo esverdeado
musgo,cracas e outra
impregnações.

Um sol que arde
uma tarde que vai sem alarde,
despedida.

Uma lembrança,
finda esperança
a correnteza aquietou.

Lagos parados
poças decantando
purificando os "Eus" em mim.

Cicatrizes da alma,
feridas abertas,
culpam a calma.

Acabou a tempo
de soprar no vento
as magoas.

Segue o curso as mas águas,
formou de novo correnteza
enfrenta outra vez o bater nas pedras.

Vai encartar no decantar das magoas,
insipida e transparente
como as lagrimas do recomeçar.
Reginaldo

Titulo extraído de um bate papo com a poeta amiga Silvana Mendes.
Foto da Net.

Nenhum comentário:

Postar um comentário