quinta-feira, 22 de maio de 2014

"DÊS -INQUILINAR"


Ver o avesso inverso,
o contrario que mostra
no verso do verso
e sondar por traz da cortina.

Desalojar por um instante,
tudo que habita em mim,
andar solto por todo canto,
sem estar em lugar nenhum.

Subir no parapeito e saltar,
na esperança do voo,
tocar o chão do abismo,
que me convida a tentação.

Encarar o espelho nos olhos,
ali de dedo em riste,
mostrar o que encontrei
no delinear das rugas.

No grisalho do cabelo
que o tempo pintou,
marcas da mais incompleta
e imperfeita odisseia.

Então retirar a mascara
impregnada do egoismo meu,
ler os rabiscos que o tempo 
escreveu na linha das mãos.

Assim encarar de vez o espelho,
abraçar o que ele ofereceu,
aquela templo vazio 
o inquilino era "Eu."

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário