sexta-feira, 20 de setembro de 2013


"esperança"

Nos delírios do alem jardim
meus lírios já não atraem mais os colibris
amargou a seiva doce 
que a chuvada não lavou
não vingou o meu jasmim.

a rubra rosa,
ainda em botão
intimou pra dentro de si
e se recusa abrir 
neste jardim de vidas mortas.

o jardineiro dos sonhos
escondeu-se nos pesadelos
foi florir noutro canteiro,
noutro canto,coutro zelo

vou esperar a semeadura
nesta terra , fértil...escura
nesse fecundo chão.
vou esperar...
outra estação.

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário