sábado, 21 de setembro de 2013

"COLHEITA DE OUTONO"




Cavei no silencio,
em silencio,
um buraco,
enterrei meus tormentos,
aflições,meus demônios.

Selei com desejos,
adubei com esperança
Lacrei com sonhos,

Aguardo o brotamento
desta semeadura.

Vou colher no outono,
depois da ventania,
depois que o tempo varrer
o que resta deste ser.

Exorcizado,purificado
serei um vaso
para esta flor.

Viço,
sentimento puro,
suplantei meu ódio,
vou colher ...
AMOR!



Reginaldo 
                                               (Mesmo onde não se semeia,é possível colher)

Nenhum comentário:

Postar um comentário