sábado, 14 de fevereiro de 2015

"HORIZONTE"


Andavas procurando a felicidade
em meio aos escombros e o
amor entre as folhas mortas do pomar.

Tua única fonte de luz,
sempre velada de escuridão,
foi sempre alvo do vento
soprado pela brisa da solidão.

Uma clareira no silêncio,
buscava com inquietação,
entre as sombras da floresta
alento para aflição.

Seguiu em frente,resiliente,
caminhando ,caindo e levantando,
até que avistou o Mar,
o aconchego da praia.

Agora navega em águas calmas,
tem aparente calmaria,
Barco solto na corrente
tem maré,mar e maresia.

E o horizonte...!

Ao alcance das Mãos,
dos olhos
e dos voos.

Reginaldo





Nenhum comentário:

Postar um comentário