segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

"FLOR COLHIDA DE MANHÃ"



No desentristecer da noite,
amanhece o dia,
o canto dos pássaros,
voa solta melodia.

Cai sobre as águas
o sol mordaz,
roubando a doçura
do alvorecer.

Canta o vento teus silêncios,
uivos sacros e harmônicos,
ouve longe a lua indo
no encalço da escuridão.

Neste teatro maluco,
onde o ensaio é diário,
é vida só uma peça,
o destino relicário.

Meu terço trago nos dedos,
uma oração,uma prece,
peço aos céus que não detenha,
o alar dos meus olhos.

Quero muito outra noite,
ansiar um outro dia,
onde minhas mudas falas,
sejam simplesmente...Poesia!


Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário