segunda-feira, 7 de julho de 2014

"SETEMBRO"


Quando meus olhos revelam a primavera
a frieza do olhar invernado,
percebe-se morno e úmido,
orvalhando a seara de minhas sendas.

Sou só um broto,contemplando o sol,
depois de um outono ventoso e seco.

Depois daquelas ventanias, despertou a alma
com a calma dos mananciais.

Silenciosamente exubera as cores,
espalha-se nos campos o viço,
após a longa hibernação.

Agora desvelada neste renascer,
no alvorecer desta estação.

Traz a certeza da finitude,
em momentos de eternidade
na coerente inconstância do tempo.

Porque tudo é fugacidade,
nesta viagem a qual chamamos
de vida.

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário