terça-feira, 24 de junho de 2014

"HOMEM DO MAR"



Pescador de mar bravio,
de tormentas e demônios,
arranca da rede o peixe
acalenta outros sonhos.

Sob a sombra das Juçaras,
água de coco e saudade,
vida dura e solitária,
tão horizontal quanto a jangada 
que desliza imensidão a dentro.

Os olhos que choram o mar
o rosto surrado de maresia,
molhado de suor,semi nu,
sem um naco de proteção.

Pernas longas e compridas,
pés rachados e descalços,
rastros firmes e marcados
na areia do litoral.

O caiçara não reclama
vive a dor desta agonia
traz da luta inspiração
faz da lida poesia.

Aqui longe de tudo
no silencio do mar alto
ouve o canto da sereia
paz ,refugio e arauto.

Só quer que o dia termine
só quer pisar na areia
só quer pegar o seu cesto
trilhar de volta pra casa.

Abraçar a simplicidade,
beijar com paixão amada,
acarinhar os bacuris,
onde encontra felicidade.

Pois os olhos que choram o mar,
também consegue sorrir depois da labuta
e não refuta o direito que tem 
de amar.

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário