sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

"ÁGUA NA FOLHA"



Antes que a morte me pegue,
assim de surpresa.

Fazer-te-ei a gentileza,

semearei ternura,
por onde pisar os teu pés.

Jardineiro de sonhos,
arrancarei a praga dos pesadelos,
estas que sufocam o voo
inconsciente noturno.

Pegarei pra você água fresca na folha,
saciarei de ti os desejos mais profanos.
Pois entre o começo e o fim de tudo,
existe uma lacuna que se chama esperança.

Recolho-me no encanto,
entretanto ainda me espanto
com um sorriso teu,
amanhece na alma calma,
teus olhos nos meus.

Neste jardim enfim,
nascerá flor da sensibilidade,
sentira por mim maior amor,
de verdade!

Espero antes do fim,
antes de ir,
antes que a morte me pegue
assim de surpresa!

Faz de mim teu canteiro de rosas,
roube de mim o perfume,
pouse suave nas Margaridas,
dos pirilampos apenas o lume.

E quando nada mais houver pra dar...

Que ainda reste me amar!
Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário