terça-feira, 30 de junho de 2015

"Dualidades"



Sou duas faces de uma mesma moeda,
duas farsas de uma verdade,
duas margens de um mesmo rio.

Escorro por entre duas vias,
num somatório da via-cruscis
dentre duas possibilidades que a vida oferece!

Entre amores e odios,
guerra e paz,claro e ofusco,
habito!

Sou homem menino,
pai e filho do meu
próprio destino!

Que no pluralismo das coisas,
singularizo meu tempo
nos meus paradoxos.

Viver ou morrer?
Viver pra morrer!
Qual é a graça de ser?

Entre duvidas e incertezas
vou costurando a sorte
com minhas dualidades...
De braço dado com a Morte!

Ela é o só mais um lado oposto,
fazendo eco em meu viver
nos meus fundos de poço!

Reginaldo

2 comentários:

  1. Como noa observar a nossa dualidade...assim ser poeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita Leila Onofre ,pelo carinho do comentário,a casa é sempre sua e as portas escancaradas estão! Beijo!

      Excluir