terça-feira, 12 de maio de 2015

"DIALOGO COM UMA CORREDEIRA"




E agora,onde estará?
A inocência do olhar
de sondar pelas frestas
o escondido do mundo.

Já não se assusta com os absurdos,
soltos na esquinas,
caído na rua,
com o nu pichado no muro.

Perdeu-se o encanto
do pouso da abelha
no miolo da Rosa,
dualidade de bem!

Já não se observa com esmero,
o detalhe da calma do azul,do Céu,
dos pássaros em revoada,
a copa da velha paineira,
sombra,abrigo,morada!

Agora que cresceu,petrificou-se,
sedimentou o coração,
acumulou tempo peso,
compactou-se,endureceu!

Mas...

Ainda sente a chuva escorrer,
em suas vias,ainda esconde segredos,
por desvelar...

Ainda resguarda o Menino,
ingenuo,intrépido,arteiro,
Ainda trás na alma o garoto,
espicula,curioso,
Louco pra virar barro moldável!

Esse o tempo não endurece,
os olhos ainda refletem o brilho
insano do viço,no limo verde da pedra,
ha um pedido de socorro,
gritado aos ouvidos da água que corre,
ladeira abaixo em busca do Mar!

Me leva daqui!!!

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário