terça-feira, 19 de novembro de 2013

"ESPERANDO O VENTO"


tudo que escrevo sou eu,
tenho como referencia 
o cotidiano 
e tudo a meu cerco,
moro no mato,
não sei falar de mar,
sou água de encosta,
que desce em curso lento.
Vou molhando,
pouco ou muito
encharcando,
vou formando regato,
remanso,
riacho.
Um cacho de palavras,
sem nexo,
sem encaixe
Tudo sou eu,
nada sou eu
Apenas escritos
na areia,
que o vento não soprou...
Ainda.
Sigo a procura do vento!

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário