sábado, 30 de novembro de 2013

"DISTRAÍDO"






Tenho andado distante,

por onde nunca antes!
Buscante sigo sozinho,
cortando os caminhos.

Na poeira da estrada,
solitárias pegadas,
pisadas firmes,
outras quase apagadas.

Prados e campinas,
gravados na retina,
belezas de passagens,
vão gerando imagens,
imaginação e pensar.

O Dia e a noite,
são meros companheiros,
a lua e o sol,
são aqueles amigos distantes,
mais sempre presentes,
testemunhando a busca.

O Tempo escorre pelos dedos,
corre,
voa...
Marca o rosto,
surra o corpo,
de branco pinta os cabelos,
sobra no cenário ,
uma silhueta cansada.

Que agora para,
monta estalagem
no pé da colina,
perto da mina,
fonte de vida e
água pura.

Depura...
A alma acalma,
cessa a busca,
mesmo que o encontro não aconteça.

Declina a cabeça,
mergulha no lume de seu ser,
olha pra dentro,
pro avesso,
para o contrário,
vê por outro ponto.

Enfim,
encontra na prateleira do fundo,
numa embalagem discreta ,
coberta de poeira,
esquecido,
abandonado,
o seu "eu". 

Acabou a busca,
tão perto o tempo todo,
precisou dar voltas ao mundo,
com olhar de superfície,
devia ter olhado...

Pro-fundo!



Reginaldo 30/11/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário