segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

"OCULTO"



Tenho em meus silêncios,
sussurros entorpecentes e analgésicos,
para desespero da minha dor de cabeça.

Vou para dentro do nada,
reduzo-me à casulo,
hiberno!

Quando o abismo
é morte certa
dou-me asas.

Tenho sono,tenho sorte,
tenho sonho,
durmo bem.

Borboleteio em cores,
viço pulsante,as palavras
pousam,superfície e rasante!

Renasço das dores do parto,
nas fendas do tempo,
sob as contrações da estrada.



Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário