segunda-feira, 7 de abril de 2014

"VIOLÃO"


As margens do pensar,
imagino a canção,
dedilho sereno as cordas do tempo,
violo todas as regras,
ali na periferia das horas,
nas curvas sinuosas de tua cintura,

toco,a melodia do sol,
do mar e do azul do céu,
seu cantar envolve os sentidos,
sereia oriunda da maresia,
para acompanhar teu cantar,
as margens do pensar,
revivo a emoção,
troco o vermelho do meu coração,
pelo celestial azul do teu violão. 

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário