terça-feira, 1 de abril de 2014

"PESADELO"

Escorrem os dias pelas mãos,
fogem de mim as palavras,
uma secura sem fim,
saliva ali perto a morte.

Ronda o entorno,
sonda pelas frestas,
brechas e lacunas,
onde tenta impor escuridão.

O brilho que havia nos olhos,
as flores do jardim suspenso murcharam,
voaram na ultimo outono,
o frio incomodo,deixou tudo fosco,opaco.

Sente a brisa do que fora vida,
findar como uma estação,
abraça o inverno que se faz,
gélido inferno.

Já sente o frescor da terra sob os pés,
revigora-se ao andar nos prados orvalhados,
no oásis da solidão,um calor o aquece,
renasceu das sombras.

Sorriu,deu bom dia e pediu o café,
tem fome de viver,tem o céu pra voar,
alguém vai ter que esperar,
este passarinho ainda não vai pousar.


Reginaldo


Nenhum comentário:

Postar um comentário