quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Enxuta.





o amor que discorre de minhas cascatas,
tentando romper os desertos,
vai abrindo lacunas,
deixando marcas em meu peito.

a despeito deste sentir,
vivo a cada amanhecer,
tempos fechados e chuvosos
pela falta de você.

desencontros meus,
esta angustia em distancias,
encurtar nossos olhares
é minha maior relutância.

neste arame onde a vida equilibra
hei de prende-la ao meu sol,
para que seque as lagrimas
farei meus braços teu varal.

te darei guarida,proteção,
seremos dois pra sermos nós,
findarão toda secura
e assim jamais seremos sós.

Aparar as arestas,
romper as agruras que o dia imputa,
vivos na eternidade do amor que resta
te-la nos braços da maneira enxuta.

presa no fio da navalha,
numa faca de dois gumes,
pois que sem amor o tempo é chuvoso temporal,
mas contigo minha deusa...é céu aberto e lume!

Jose Regí Poesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário