terça-feira, 8 de setembro de 2015

=Balanço=





De todos os sonhos que sonhei,
no esquecido do sono,
vivo o que ainda não dormi...

Um misto de loucura e busca,
desperto num torpor que avassala
meus sentidos.

Semeio sem nexo palavras estereis,
num solo imaginário,
onde nunca brotou uma praga se quer!

Meus canteiros morrem de sede,
onde lavro meus poemas,
em parte meus dilemas!

Sempre corro atrás do beijo não dado,
do abraço perdido no vento,
daquele amor de ontem a noite...

aquele que ainda não me veio,
que ainda é sonho de noites insone,
que insiste em mim despertar!

Com o clarão da Lua na Janela,
invadindo o quarto,empurrando o balanço
pra dentro do pesadelo...

Longe dela!


Jose Regí Poesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário