quinta-feira, 13 de agosto de 2015

"RUÍNAS"




Um corpo vazio,
no estio do espaço,
uma lacuna de alma,
um voo desespero,
busca a calma,
fugindo pela janela.

O céu é passarela,
é mirante espiador,
é pouso de pássaros
desassossegos,
sendas de asas...
aconchego.

Sonda de fora
o trabalho do tempo,
um corpo vazio esvaindo,
a pele surrada,
mostrando a ferida,
num oco de vida,
sem eco!

Foi morada de alma,
que desiludiu,
abandonou e partiu
no raiar da manha,
ficou a lembrança e a pena,
e a solidão que não sabe voar!

Jose Regi Poesia

Imagem:Sandro Alves De França


Nenhum comentário:

Postar um comentário