quinta-feira, 16 de abril de 2015

"PROFANAÇÃO"




O Amor desliza pelas curvas,
entra em desvios,
serpenteia por atalhos,
afim de beber água pura!

Depura do escuro do quarto,
filtra,decanta,
turva-se em mistura
na beira da bica!

Pisa o sagrado portal,
uma fresta entre fendas,
adentra sedento.

O Amor não bate a porta,
não vira as costas
não dá sopa pro asar!

O Amor é a própria água,
liquida a invadir os espaços
onde a solidão alojou.

O Amor é meio caminho,
entre o a raiz e a flor,
estrada de espinhos!

É lago raso e fundo
é silhueta de fogo,
é eterno e efêmero...
Gozo!



Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário