quinta-feira, 16 de abril de 2015

------Passageiro de algum trem-----



Um trem chamado Tempo,
vai passando estações,
inverno,primavera nos
outonos de verões.

vai levando meu fardo diário,
embarcado corpo vazio,
deixando a alma de fora dos trilhos...

Assim descarrilados,
sou pássaro de passado,
que o presente embalsamou.

sou um resto de viagem que o trem abandonou,
o tempo esgotado que o poeta rabiscou,
sou avesso do verso,reverso,contrário,
sou só contravenção.

Ampulheta descerrando areia,
constante e intermitente,
sou aquele sopro vida
forte ventania por sorte...

Meu trem ainda não chegou ao seu norte...

Mas segue firme,
apitando,
fumegando,
aliciando o medo
inútil da Morte!


Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário