quinta-feira, 16 de abril de 2015

--------Dês-borboletar--------------



Saiu do supermercado,
cabeça baixa,
semblante pesado...

Lia atenta o canhoto da compra,
era Ela e o maldito papel,
que não entravam em acordo!

Uma figura emblemática,
que vai se despindo de
normalidade!

Com uma estampa in-convencional,
aos olhos do igual, vai se 
dissolvendo no tempo.

Ela não tá nem ai pro que pensão,
a dialética segue sozinha,
entre Ela e o canhoto...

Aquela obra,Ela,
anda a sombra dos teus 
silêncios!

Atormentada,segue seus passos,
refletido nas poças,
Ela,velha menina moça!

Velha ruína,por traz da menina,
a moça é obra pronta
em desconstrução!

Mas ecoa em seus salões,
sobre tempestas e trovões,
o desejo de voar.

Abismada no herege coletivo,
abandonou-se do lado de dentro,
sonda pela fresta dos olhos.

Ainda confere o canhoto,
pressos absortos,
abusam do seu entender...

Ela só queria um pouco de sal,
para adoçar o mar,
de uma vida vã!

Arqueada,com o peso da cruz,
se benze em frente a igreja
de Santa Luzia...

Amassa o bendito canhoto,
Hosana em oração...
Ela queria Poesia!

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário