segunda-feira, 8 de setembro de 2014

"NO FIM SOU EU E EU"



A solidão,encontro de essências
refletidas da alma,
que os olhos sentem
e as mãos quase podem tocar.

Nestes instantes absoltos,
de profunda absorvência,
onde encontro meu Eu,
sou minha única companhia.

Tento dissolver esta escuridão,
buscar o lume no fim do caminho,
que mostre oásis ao deserto,
uma mesa redonda de vozes.

Espanto solidão com presenças externas,
com olhos,bocas e sentidos alheios,
receio que assim abro caminho
entre os espinhadeiros.

Mas quando cai a noite,
volto pra meu silencio,
as veredas desta tormenta
abrasa o meu sossego.

Não ha rota de fuga,
encaro meus demônios,
mãos dadas,entrego em sonhos,
pra despertar com os passarinhos.

Outra vez,até o próximo vazio!

 Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário