domingo, 7 de setembro de 2014

"DECIFRADOR"



Escrevo sobre o cotidiano,
sobre todos os meridianos,
as mensuras do sinto.

Por vezes escrevo mais do vejo,
quando sinto tocar no rosto,do vento,
afago gostoso de um beijo.

Vento sacana,atiça e sai fora,
deixando aguçada imaginação,
logo no jardim do papel aflora.

Colho pedras pelo caminho,
as vezes entre os espinhos
a flor do mandacaru.

Meus dias sempre iguais,
pela poesia difere,
para não sofrer ainda mais.

Quando chega a noite,
que o veludo negro descortina,
vem o sono e os sonhos que eu não escrevi...

Mas faço questão de ler!


Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário