sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

" NEM EM SONHO"





QUANDO RASTEIRO OLHAR,
MAU SOMBRA LHE COBRE,
NOITE SEM VAGA-LUME,
VAGA SEM LUME A ALMA.

LUA ESCONDE NO SONHO,
BEIRA O ABISMO PESADELO,
ESTRANHA ESTE MEU PENAR,
TRISTEZA ENORME EM NEGRITO,
SOFRO QUE NÃO "TA"ESCRITO!

SOLVO ESSÊNCIA DA MORTE,
APURO UM POUCO DE SORTE,
TOMO COMO PROTEÇÃO,
QUEM SABE POR UM DESCUIDO,
O DESTINO,
ME POUPE DA SOMBRA E ESCURIDÃO.

SOB A LUZ DO CANDIEIRO,
QUE MISTURA A QUE VEM DE FORA,
UM RAIO DE VIDA,
LÁ ATRÁS DO CELEIRO ,
DESPERTA NA MADRUGADA,
LOGO TERÁ AMANHECIDO.

ARDE EU AQUI EM CALOR,
PORQUE O BEM QUE BEM ME QUER,
ESCONDEU-SE NO MEU SONHO,
NEGAS O AMOR!
ATÉ NO SONHO MEU
MEU AMOR FOGE DE MIM,
QUEM SABE NÃO SEJA MEU,
SÓ O SONHO QUE SIM!


Reginaldo

Um comentário:

  1. Eis um caminho sem volta: poeta, poeta, poeta! Muito bom, Reginaldo!

    beijos,

    ResponderExcluir