sábado, 25 de janeiro de 2014

"GABRIEL"

"GABRIEL"


Guardo no meu peito, um
amor que arde feito
brasa.
resignado fico a
imaginar e sonhar
em um dia poder sair desta
letargia.

Rasgo todas as memórias
arrumo as
prateleiras,
humanizo tudo,
unindo o nó do nosso
laço.

Sinto
imenso
levitar,
vago
esperançoso sobre a
ira do pensar
reflito e suplico por seu
amor.

Gritarei então e cantarei
aos
rincões distantes,
canções que digam sobre as
incontáveis  formas de

Amar.


Reginaldo  25/01/2014

(Acrostico poético para o neto de um amigo meu)

Um comentário: