sexta-feira, 24 de maio de 2013

"ABSTRAÇÃO"




Nascia...
Ingenua,nua,indefesa...
Uma pessoa se fazia.

Adolescia...
Jovem bela,belas curvas
Em algum lugar se perdia.

Vadia...
Irradia depravação,
exala transgressão.

Valia...
Quanto queria...
Quando amor vendia.

Envelhecia...
Nos ombros o peso do tempo,
que lhe roubou a mercadoria.

Morria...
Sem se fazer conhecida...Indigente,
no findar de outro dia...
Anonima Maria.

Reginaldo

Um comentário:

  1. Suzana Guimaraes Um poema que retrata nossa realidade (a do mundo, mas eu nada sei do mundo, sei do Brasil e você termina nomeando a mulher de Maria e Maria são tantas...), bem feito, com sentido, cabeça, corpo e pés, simples como é a vida, do jeito que gosto. Nem uma palavra a mais ou a menos.

    ResponderExcluir