sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

"SENDAS"



Quero...

Um poema,
que não trema as mãos,
que não rasure o papel,
que não ofusque a visão.
Um poema,
que tenha suavidade,
como tema a
beleza,a calma...
que expresse Paz, alma.
Mas há desertos infindos,
hostis,secos,ardentes,
onde o vento não sopra,
dias de tormentas,
canteiros de areia...!
Um dilema...
não brota doçuras de um amargo
caminhar,despertar...
é preciso mais que areia
para um poema!
Um córrego,um regato,água corrente,
um olhar diferente,
O poema é liquido e transparente,
broca das profundezas,
erupção silenciosa,é palavra magma...
Por vezes uma Lagrima,
teimosa que molha o papel,
uma solitária senda,
úmido começo e ponto final,
e tenho meu poema!

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário