quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

"DISSIPAÇÃO"



Hoje sou vento,
vendido ao sabor do tempo,
lento,sendo,
lendo nas sendas de ser,
versos escritos na areia,
deixados na beira da praia,
esperando o beijo do mar...

Folhas esgarçadas dos galhos,
na ira das ventanias,
pousada no espelho D'água,
lá no alto da calmaria.

Ser da criação,
imperfeito que se desfaz,
em voar sublime de sonhos,
do fugir seguro das copas,
da frondosa arvore da encosta.

Hoje só vento,
sou brisa e não lamento,
desconstruído monumento,
movimento lento de ser
barco a deriva...

Espírito livre,do cárcere liberto,
sem corpo,só pensamento,
ruínas de vento,sobre o azul,
voo e névoa no balanço de ir e vir...

Depois da chegada,
tudo é partida!



Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário