um corpo feito para amar



Eis que da profundidade do nada,
na imensidão do inexistente,
a vida insiste em renascer
em curvas quase profanas.

na perfeição torta,
na sensibilidade,
na carência


da sensualidade suave do corpo nu.

o pecado que salva 
alimenta a volúpia

Acalenta
desejo e proteção.


Reginaldo
1

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tributo a meu berço

"Flor Bebê"

Obra inacabada