terça-feira, 14 de julho de 2015

"Travessia"



Sobre limo e musgo,
das pedras do caminho
se prende as fendas...

Escondido do sol,
na umidade do orvalho,
sobre as folhas mortas...

Agora é todo sub-mundo,
baixo,rasteiro,
és sobra de sombras!

És resquício de escuridão,
que não amanheceu,
aquele sono mal dormido!

Aquele grito tolido
de apelo,impedido de soar,
sob o silêncio dos olhos...

O choro seco de fome,
o romper da calmaria,
o barulho,o trovão e céu cinzento...

És aquele pássaro sem canto,
sem voo,sem asas,
sem encanto!

Sendo assim,
és tu e mais nada
aquele brilho opaco.

Aquela lagrima de chuva
que escorre pelo frio da pedra,
pelo veio,pelo friso.

Pelo crivo da luz e das trevas,
onde o corpo deixa escapar
o pouco da alma...

De novo rescende
o cheiro de madeira
velha molhada.

A Hipocrisia banha
do esquife repouso final,
depois da ultima chuvada!

Uma pedra sob o terra
é todo feudo que lhe resta de memoria,
a parte que lhe cabe neste latifúndio!

Jose Regi Poesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário