sexta-feira, 14 de novembro de 2014

"PORTAS FECHADAS"


arroios circundam a ruína,
o tempo fechado não abre,
o corpo ferrolho.

Tenho todas as chaves,
guardo todos os segredos,
no baú sonhos antigos,
perdido entre as quinquilharias.

Busco o portal ,
no vão do silêncio voo,
inútil caminhar nas sombras,
sobre os escombros de mim.

tenho todas as chaves,
de que vale tudo isto,
se não encontro a entrada.

Mas ainda guardo segredos,
que me salvam,
da revelação.

Estou só de passagem,
vou pegar água fresca
e seguir...!

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário