terça-feira, 25 de novembro de 2014

CALEIDOSCÓPIO (Auto-Retrato)



Sou eu aquela aquarela,
aquela tela em branco
onde o tempo chamusca cores.

Sou um misto de desejos e delírios,
de versos e avessos
por traz da alquimia.

Pinto o sete,o dia ,a noite,
colho flores no deserto,
que o vento sopra em mim.

Sou pedaços de reflexos,
pinceladas de tristezas,alegrias,
sou um caleidoscópio.

Sou a própria lei da reação,
as vezes recebo luz,
que decanto da escuridão.

Sou fugitivo do caos,
recolho das ruínas
o bálsamo pra alma.

Embalo com fita vermelha,
selo com amor a embrolho da vida,
espalho-me ao vento.

Sou grato,amigo ,escorpião,
sou careta,correto,amigável,
por vezes céu,outras vezes chão.

Sou veneno,sou peçonha,
sou antidoto e cura,
Sou ombro e rasteira.

Sou homem bicho,
tentando descifrar o bicho homem
ainda que o tempo me devore!

Sou uma incógnita da própria loucura,
de Rembrandt,de Picasso,de Claude Monet,
sou rabisco descolorido que jamais foi Pintura!

Sou um apanhado de doçura
ocultando alguns demônios,
obra inacabada,esquecida em sonho!

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário