domingo, 11 de agosto de 2013

"PARADOXO"




Sob o olhar do tempo que me vigia,
observo de dentro ,a beleza vazia,
que matura o pensamento.

Em campo estio,
solitário e vasto...
Plantaram-me!

Semeado no outono,
sob vento e brisa leve,
a cabeça se perdeu.

Perambula ,
agora sem rumo um corpo...
Sem espirito,sem alma e
sem vida.

Paradoxo...
Deixaram livre o corpo,
aprisionaram os pensamentos.

Hoje ,sou uma lapide
de vigia o olhar do tempo,
encarcerado meia verdade,
assim, meio morto. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário