terça-feira, 11 de junho de 2013



" ATOR-MENTADO"

Ecoa no estio
gritos do meu vazio
que enchem o vale
com sobras do meu eu.

Esparramo-me
por entre as daninhas,
ervas de todas as eras,
que ocultam meu caminhar.

Eu,seguidor dos meus delírios,
na alameda dos lírios,
sonhador de outras lendas,
ouço o batuque da moenda
triturando meus conflitos.

Perdido aqui entre os eucaliptos,
suspiro de ar mentolado
gélido e refrescante,
como um beijo da menina ,amante.

Sigo buscante,
ante o grito que ecoa,
sombras do meu passado...
Pássaro livres de todos,
preso dentro de mim.

Reginaldo

Um comentário: