terça-feira, 31 de março de 2015

"O Silêncio das mãos"


Disseram-lhe que havia morrido o amor,
ele estarrecido não acreditou!

Esbravejou que não havia sido informado,
e que o vento sempre falastrão,soprou
tal absurdo!

Não aceitara o fim daquele que perseguira,
por toda uma vida de desencontro,
entre os desencantos.

Recolheu-se ao jardim,
onde semeara suas fantasias,
nem um broto pra consola-lo.

Percebeu seu rosto molhado,
seu olhar sempre florido,
havia turvado.

Tua alma voara pra além do jardim,
tentando entender o alarde,
que lhe roubara a calma do fim da tarde!

O voo da borboleta,o toque do beija-flor,
o desperta pra uma certeza,
o amor adormeceu,porém nunca morreu...

O Poeta baixou a caneta,
em prece e silêncio perturbador...

é deserto,
quando há silêncio das mãos!

Reginaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário