quarta-feira, 30 de março de 2016

Saudade de ontem






Eram ruas de pedras
Tardes sem sol
Chuva ao longe
Enquanto ardia
Em ti o desejo de sair

A noite vinha de banho tomado
Beijar-lhe na janela
Onde folheava sutil
As doçuras de Drummond

O mundo reduziu-se
A um olhar perdido
No escuro
Que a lua colheu

Olhando lá de cima
Aquela menina, a lua,
Da janela de vidro
Fugia sua alma pro meio da rua...

Eram ruas de pedras.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Solidão lunar


A noite acende a lua que ilumina as trevas
As estrelas se enveredam pelo veludo negro
A escuridão então dá tréguas
Ante a claridade a que me entrego
Vagalumeio sem rumo contra os meus medos
A luminescência revela o caminho
Que aos olhos eram segredos
E aos pés desnorteio e espinhos
Já corri tantos janeiros fugindo da escuridão
Que até meu peito arde
Quando a lua toca o chão
Talvez a lua tenha lá sua razão,
Pra se vestir com tanto brilho
Sofre ela e Eu o mesmo mal da solidão.