segunda-feira, 30 de junho de 2014

"VIA SACRA"




Cultuar o simples,
reverenciar o comum,
olhar no pequeno a grandeza do horizonte.

Molhar o rosto nos mananciais,
que fazem a fonte,
que levam sonhos e a alma lavada.

Purificar o tempo,
santificar as horas,
idolatrar os momentos que sopra o vento.

Gostar da noite,
mesmo que oculte o lua,
esconda as estrelas,ver beleza na escuridão.

Abraçar o dia na esperança das cores,
olhar o verde mesclado dos campos,
os pássaros,borboletas,as flores.

Retirar deste olhar toda euforia,
essencial alegria de viver,
colher pelo caminho poesia.

Tão necessária quanto a rotina,
via de mão unica,sem placa,
via sacra!

Sacrificado destino,
que forçou a criança,,interpelou o moço,
que se fez homem,depois menino.


Com olhos de ontem!


                                                                                                                             Reginaldo

domingo, 29 de junho de 2014

"PRETO E BRANCO"



Perdido no tempo,
meio sem chão,
pensamentos negros
transcendem a luz da lógica.

Não tem força,
a depressão abraça com gana,
impõe seus desejos. 
Pinta um quadro sem cor,
um Monet desfigurado.

Um jardim em preto e branco
como a foto do porta retrato.

Os dias são noites longas,
a noite eterno abismo,
o destino com sarcasmo 
ironiza teu sorriso.

O choro é alma em fuga,
deste corpo em desalinho,
tudo é frio e deserto,
cactos,areias e espinhos.

Por não achar a saída,
encasulado e semente,
se planta no primeiro buraco,
que tem a frente.

Finda os pesadelos
encostou na contra mão,
mergulhou com os seus medos
em busca da redenção.

Reginaldo

"SINGULARIDADE"



Rabisco mau traçado,
contornos amargos,
sombras escuras,
nuances cinzentas,
tristes cantos,
atritam em meus ouvidos.

Melhor desenhar o silencio,
esse que grita conjecturas,
que realça o lume dos olhos
tentando me impor a luz.

Quem sabe no fim deste esboço
ao qual rascunho de próprio punho,
consiga descifrar ao menos
algo que pareça meu.

Nem que seja a lagrima
que borra a assinatura,
tornando o real em abstrata,
inacabada obra de viver.

Pois a noite todas as cores são negras!

Reginaldo

sexta-feira, 27 de junho de 2014

"QUERIA QUE VOCÊ ESTIVESSE AQUI"

CANSADO.

NA POLTRONA DO ÔNIBUS
RECLINO A CABEÇA PESADA ,
PELO FARDO DO DIA QUE FINDA.

ENTRE UM SOLAVANCO E OUTRO,
O FONE NO OUVIDO CONVIDA A VIAGEM,
ME ENTREGO AOS DESEJOS DOS OLHOS FECHADOS.

VAI TOCANDO TODAS AS FAIXAS,
ENCANTO O CORPO RELAXA,
SOBRE O ECLETISMO DOS SONS.

INCRÍVEL O PODER QUE EXERCE A MUSICA,
CHEGA A SER LETÁRGICO,INCONSCIENTE
A PERDA DOS SENTIDOS PRESENTE.

MERGULHO NOS IDOS DE ONTEM
COM A NATURALIDADE DO SONHO
TÃO REAL QUANTO ABSTRATO.

ENTREGUE AOS ABRAÇO DA POLTRONA,
SOB AS BENÇÃOS DE TANTOS ÍDOLOS,
PONTO FINAL AO BREVE SONO.

DESPERTO SEM SUSTO
COM PINK FLOYD SUSSURRANDO
"WISH YOU WERE HERE"


Reginaldo

"VOOU A CANÇÃO"



Dor doida,
esta dor da partida,
deixa mudo a batida,
de um coração.

Dedos leves,
mãos suaves como a suavidade das melodias.
Que encantaram um dia,
ao nascer fantasias,
utopias em sonhos 
e poesia.

Voou ,
descansou o seu violão,
virou ausência,
pra ser presente inspiração.

Reginaldo

quarta-feira, 25 de junho de 2014

"JANELA ABERTA"

A vida é o somatório 
de pequenos momentos,
do acumulo dos dias
ao saber-se tempo.

Da junção de olhares, 
milhares dispersos,
da fusão das matizes 
que se percebem luz.

Dos anos que ganhamos,
dos amigos que fazemos,
do nada que tiramos tudo,
e assim existir além horizonte.

Saber-se decifrado pelos olhos distantes,
pela sinceridade de um "ola",
pela amizade platônica,
que cresce sem se ver.

Perceber-se importante
sentir  tocar as mãos,
receber o abraço caloroso
e o amor de uma amizade.

Ter a exata noção,que viver é renascer,
todos os dias,com a fome de um recém nascido,
sugar e absorver tudo que ela oferece,
inclusive a possibilidade de ser feliz.


Reginaldo
 

terça-feira, 24 de junho de 2014

"HOMEM DO MAR"



Pescador de mar bravio,
de tormentas e demônios,
arranca da rede o peixe
acalenta outros sonhos.

Sob a sombra das Juçaras,
água de coco e saudade,
vida dura e solitária,
tão horizontal quanto a jangada 
que desliza imensidão a dentro.

Os olhos que choram o mar
o rosto surrado de maresia,
molhado de suor,semi nu,
sem um naco de proteção.

Pernas longas e compridas,
pés rachados e descalços,
rastros firmes e marcados
na areia do litoral.

O caiçara não reclama
vive a dor desta agonia
traz da luta inspiração
faz da lida poesia.

Aqui longe de tudo
no silencio do mar alto
ouve o canto da sereia
paz ,refugio e arauto.

Só quer que o dia termine
só quer pisar na areia
só quer pegar o seu cesto
trilhar de volta pra casa.

Abraçar a simplicidade,
beijar com paixão amada,
acarinhar os bacuris,
onde encontra felicidade.

Pois os olhos que choram o mar,
também consegue sorrir depois da labuta
e não refuta o direito que tem 
de amar.

Reginaldo

"AQUECIDOS"



Lembro hoje da noite de ontem,
dois conhaques e MPB ao fundo,
uma voz vibrada e suave
acompanhava as batidas do vilão.

Foi rápido o passar das horas,
foi eterno e marcante,
tão quanto improvável reencontro.

Foi bom,foi real o sonho,
ter na mesa um naco de saudade
suplantada,ver nos olhos,
o calor na noite fria.

Apesar do pesar,dos poucos no bar,
do gélido ar,a musica veio abraçar
deu pra ler alegria,
Pra decifrar nas entrelinhas,
a conspiração do tempo...A nosso favor. 

Agora faz sentido,
a musica é mesmo magica,
encurta as distancias,
traz pessoas,junta,
faz de uma noite comum
um delicioso reencontro.

Faz momentos assim,
a gente desejar a eternidade,
mesmo que por alguns instantes
sentir próximos e feliz.

Reginaldo.

"MEDO DAS SOMBRAS"



Voar sem rumo
sair sem destino
andar nas nuvens,
rastejar se preciso for.

Sair do marasmo,
do sarcasmo da rotina,
sem sair do lugar,
fazer o improvável possível.

Ter o vento,ter o céu,
ter olhos atentos sobre a mesmice,
poder ver o nada e ter tudo que precisa.

A noite traz o dia por não gostar da escuridão,
traz o sol e a claridade o calor que tem a vida, 
traz a sensibilidade,cheiro de felicidade a euforia...

Traz tudo e sem querer a Poesia.

Reginaldo

"OUVINDO O SILENCIO"



                 "Quando o silencio se faz escutar,

                  é a alma sufocada querendo falar"


                                                                                                           Reginaldo

"BEIJA FLOR"



Numa janela semi aberta, 
no peito,
ali no parapeito um colibri descansa,
olha pousado o jardim afrente,
absorve o tempo,
lança olhar as flores,
respira,
se inspira e bate asas.

Salpica de flor em flor,
distribui beijos diversos,
mas guarda o mais doce,
pra flor mais bela.

Aquela que ele namorava,
ali pousado no parapeito,
da janela aberta no peito,
antes do bater de asas.

Após o beijo de amor,
abraça o vento,
despede-se da flor 
e ganha o céu.

Levando a vida no bico!

Reginaldo

"ULTIMO VOO"



Insano,
saltou para o voo em vão,
no vão do nada,no oco do ócio
sem um eco de esperança.

Na beira do abismo,
espera pelo vento,
pelo toque suave de misericórdia.

Não flertou com o amor,
não teve acalento da sorte
desistiu do desejo vital,voou para morte.

Agora no fundo do poço,
furou o pacto com tempo
saudade ,memória.

Perdido no vazio,vaga as cegas 
nas vias por onde
destila solidão.

No limbo onde a noite semeou escuridão,
desolado não consegue sair do pesadelo,
não encontra o jardim da luz.

Cometeu um grande erro,
por não esperar o fim,
agora abraça o desconhecido.

A morte pode ser o começo,
de outra jornada,que a vida inteira vivida
desvela as veredas.

Por atropelar o caminho traçado,
não vislumbra os atalhos,
ainda vive o ultimo voo.

Reginaldo

segunda-feira, 23 de junho de 2014

"ETERNIDADE DE UM OLHAR"




Quero só um pouco da luz
que brilha em seus olhos,
esta que o faroleiro vela com cuidado
pra não deixar apagar.

Encher o vazio da insignificância,
com a singularidade deste lume.
Trilhar a rota que me leve,
sem susto ao topo,ao cume.

Assim desfrutar deste olhar,
deste querer clarear, luzir,
ficar a sua sombra,
sob sua proteção e guarda.

Ver além,o mar quebrando na areia,
banhando a costa,refrescando
as incertezas que o silencio
desvela.

Estar coberto pela nudez,
em pelo,em pele,
sem o naco de pudor,
e não atentar contra a pureza.

Descobrir o Éden,
os jardins da babilônia,
descifrar os pesadelos
afugentar meus demônios.

Abraçar a paz,
harmonizar com a noite escura,
fazer acordos amigáveis com o tempo,
para que passe lento,quando estiver com você.

Conhecer a fundo a fonte desta luz,
chegar na fonte desta chama,
tocar com calma e sutileza, 
tua alma.

Equilibrar luz e sombra,
noite e dia,
sol e chuva,
minha tormenta ,com sua calmaria.

Amar eternamente
antes que pisque os olhos!

Reginaldo

quinta-feira, 19 de junho de 2014

"AMOR DISTANTE"




De todas as idas e vindas
de você em meus braços
a dor nefasta e cruel foi
te-la distante entre as mãos.

Embora palpável e sentida
tão real e minha,
a frieza longínqua
que os dias segredava,
a noite nua desvelava.

Foi esvaindo todo calor,
todo tesão e furor,
que avassalava aquela devoção,
aquela falsa ideia de nós dois.

Um dia desperto,
você ali do lado tão longe,
a indiferença fez sentido,
deu rumo e direção,
percepção e descoberta.

Horizonte aberto,
adeus e parti...

Fiquei no silencio
parti ser ter ido pra longe de ti,
viver faz aprender,
dissimular e mentir,
equilibrar as distancias.

Resta ainda uma vela acesa,
que o vento insiste em soprar,
mas as mãos que nunca a tiveram
insiste em dar proteção,
não deixar apagar
aquela pequena esperança.

De um dia reaprender amar!

Reginaldo

"FARDO PESADO"



Coração cansado de amar,
olhos cansados de chorar,
braços cansados de abraçar o vento,
boca cansada de falar em silencio,
pernas cansadas de correr atrás,
corpo cansado de se dispor pra nada.

Chega,
basta,
não aguenta mais,
quer agora descansar em paz,
seguir leve como pluma
nas nuvens que circundam teu céu.

Quebrou as correntes pesadas,
rompeu com a indiferença,
bateu asas e voou...

Livre ,
leve 
com toda vitalidade de um primeiro passo
primeiro voo,
primeiro olhar.

Contornou o horizonte,
aquele que sempre o chamara
pra além de suas linhas.

O vento impulsiona,
a visão impressiona,
todo novo é restaurador
todo recomeçar é viver,
é aliviador!

Reginaldo

quarta-feira, 18 de junho de 2014

"INVISÍVEL"




"...se não me percebes inteiro,
faço-me fragmentos em pó,
só pra incomodar os teus olhos
e faze-la lacrimejar!"

Reginaldo

"SAUDADE DELA"



Nada mais me resta,
que olhar pelas frestas,
sua silhueta.

Traçar na memória
qualquer que seja a historia,
que tenha beijo no fim.

Ai nos braços da sombra
sentir então o frescor,
do amor orvalhado,

Colher lírios do campo
antes do sol nascer
só pra molhar os pés.

Depois com as flores na mesa,
puxar a cadeira ,servir o café,
olhar em frente ao vazio.

Sua imagem retida 
na menina dos olhos,
ainda esconde a mulher.

Que senta comigo 
todos os dias pela manha,
na esperança do reencontro.

Só saudade amanhece,
essa não esquece
de me lembrar você.

Nada mais me resta,
se não olhar pelas frestas,
que você deixou aberta ao sair!

Reginaldo

"NAMORICO"



Aquele beijo roubado
por cima da cerca,
aquela ingenuidade 
quase infantil,
aquele amor de criança,
que se escondia no peito,
aquele amor sem defeito
feito pra nós dois...
O tempo roubou de nós!

Reginaldo

terça-feira, 17 de junho de 2014

"REVOADA"



Alço ao céu num pulo,
abraço e faço meu o sonho de Ícaro.
Busco novas trilhas,novas rotas,
outro sentido pra tudo.

Tento olhar o horizonte,
sempre um mistério a desvendar,
além das montanhas,
o desconhecido abismo.  

Singro o céu com asas de cera,
de manha pro sol não encurtar o meu voo.
Vejo de cima todo encanto
oculto no rastejar.

Desço ,descanso e abasteço,
cisco o entulho da insignificância,
debaixo do pé vida seca...Hibernando.

No crepúsculo,na fresca da tarde,
junto ao bando migratório,
sigo o destino em mais uma Revoada.

Reginaldo

segunda-feira, 16 de junho de 2014

"BATENDO NA PORTA DO CÉU "


Todo tempo que tenho
ainda que não seja meu,
nas horas que fogem entre os dedos
tenho uma mão cheia de vento,
que insiste em bater na porta.

Este sopra confidencias de outras sendas,
que traz o frescor da primavera
nas flores que balançam,
belezas de um recanto.

Corre sereno o riacho de águas claras,
despencam das pedras avencas e samambaias,
o verde domina os prados e planícies
onde repousa meu olhar deslumbrado. 

Aqui os bichos harmonizam com as sombras
toda luz traduz o belo ,o pomar é só fartura. 
Não me falta nada ,a não ser aquela costela,
retirada durante o sono em que sonhava nós dois.

Para plenitude ser fiel,
descerrar o véu da solidão
foi criado por pelo artista imaginária intuição.

Percebeu a imperfeição da obra,
ainda em tempo deixou um ponto
no canto do quadro molhar,
desta lagrima brotou Eva,
a flor mais bela do Éden!

Reginaldo

quarta-feira, 11 de junho de 2014

"NO SILENCIO"




As madrugadas são dias,
quando os dias são curtos,
o silencio destas  horas
sussurram me confidencias.

Ávido ouvinte destas falas escuras,
que buscam luz em meu papel,
trazem consigo as estrelas,a lua,
o manto negro do céu.

Como o sono não vem junto,
chega junto a poesia,
juntando no bloquinho
os cacos daquele dia.

Assim nasce os rebentos,
no silencio da escuridão,
vem sem choro,nem sofrido,
só a dor da inspiração.

Mas ai com o dia claro,
posso ver a cor dos olhos,
a textura da pele,
admirar suas linhas. 

Toda poesia é um parto em silencio,
fecundada na alma e no coração,
alimentada pela utopia do poeta,
que lhe traz ao mundo pelas mãos.


Reginaldo

segunda-feira, 9 de junho de 2014

"HOMEM PÁSSARO"


"Vou contando os passos,
andando nas nuvens,
as vezes tocando o chão
em pousos suaves..."

Assim passarinhando!

Reginaldo

O titulo de Ana Cecilia Romeu

"PRA NÃO DIZER QUE FALHEI COM AS FLORES"




É fim da feira,hora da Xepa.
Ninguém esta preocupado com a cozinha,
o barulho agora é na copa.

Está tudo maquiado,tudo lindo e superficial,
trabalhamos bem pra mostrar ao mundo nossa capacidade,
somos bons em festas,somos alegres e ingênuos.

Mesmo que se morra do coração na porta do hospital referencia,
ninguém vai noticiar,agora é copa,pode tudo,até morrer por omissão,
estamos em greve,de humanidade,de amor ao próximo e de amor próprio.

construímos um cenário,um palco dos sonhos,para desfilar o que temos de melhor,
não nossas belezas naturais,nosso carisma,nossa miscigenação,
mas nossa incrível capacidade de dês-priorização,de dissimulação.

Temos pessoas ávidas por um quarto e cozinha,onde possa alojar seu entes,
temos gente esquecida a própria sorte nos leitos da rua,problemas de todas as espécies e formas,
mas isto não da ibope,isto não rende voto,isto não da dinheiro,o negocio agora é copa.

Ah...Não é culpa deste ou de outro governo as mazelas que vemos,
o esgoto que se esconde,pros gringos não sujarem seus mocassins alemães,
ou seus ternos italiano de seda pura.

Qualquer outro sigla que no governo tivesse,não perderia a oportunidade
de encher a burra,de esquecer os ideais de civilidade,de adornar o próprio onfalo
com o suor do dinheiro publico.

Não vamos ser hipócritas de achar que esse mérito em desviar verbas,
em superfaturar obras,de iludir a boa fé do povo é privilégio impar,
isso é cultural,ou falta de cultura de um povo que se vende barato e depois arrepende.

A grande mídia,formadora de opinião,não informa com isenção,
empurra a grande massa segundo seus interesses,mas vai ter copa,
mesmo com muitas famílias sem teto,sem terra,sem tudo,apenas com nada.

Isso não é problema,vamos ser o mundo por trinta dias,
vamos espalhar nosso verde amarelo aos quatro cantos do planeta,
vamos vender o que não temos,vamos enganar,afinal é copa.

Mas ,amanha é terça,hora da limpeza ,que juntar as sobras deste sonho,
recolher o pesadelo num saco,acordar e perceber ,que não temos o resto da casa,
e onde foi a festa realizada,na copa,está descaracterizada.

Todo encanto e euforia fugaz do verde e amarelo,descoloriu,
alforriou um manto negro e o quadro que se pinta é preto,
é sombrio,não tem beleza,não tem nada...

Ou melhor,temos uma luz no fim do túnel,outra oportunidade se descortina,
vamos esquecer tudo e pagar a conta pra não perder o foco,
somos bons em amnésia.

vamos outra vez...Que venha 2016!

Reginaldo

"MAREJAR"


Viva os nascedouros,
os mananciais 
e as minas que se veem 
fontes aos olhos do poeta.

Viva nós e a poesia 
e todos que se molham
nestas águas vivas.

Límpidas sem qualquer macula
isenta de qualquer impureza,
viva tudo que virá ser vida .

Que seja servida
a verdade insipida 
vivida de forma cristalina 
como todo "MAREJAR".

Reginaldo

"CERTEZAS"


Toda posse é efêmera,
toda paixão e fugaz,
todo ódio é veneno,
todo amor é voraz.

Toda verdade flutua,
toda mentira é pesada,
toda canção nasce do silencio,
todo silencio é pra ser escutado.

toda certeza é equivoco,
toda unanimidade é burra,
todo barulho pode ser nada,
todo céu azul,esconde a chuva.

Todo dia traz a noite,
toda noite a madrugada,
todo avesso tem seu reverso,
todo homem a sua amada.

Todo fogo queima,
toda água enxarca,
toda reta tem curva,
toda curva se abraça.

Toda paz vem do espírito,
todo o espirito é amigo da alma,
todo sofrer um dia finda,
todo tormento um dia acalma.


Reginaldo

'PERCEPÇÃO"

"Já passa das oito e vinte,

ainda nem tomei meu café 

e o tempo já engole seco metade do meu amanhecer".

"NOVOS OLHARES"

Revejo os mesmos lugares,todos os dias,
a rotina me impõe sua vontade,
mas desvio e quebro essa verdade,
com olhos de novidade.
Vejo a mesma coisa ,
mas sinto como se fosse a primeira vez!

"AMOLECEU"

O que fizestes daquela pedra
que trazias no peito,
aquela assoreada,
varrida de vento,
lisa e escorregadia,
onde as pombas quentavam sol,
nas manhas de solidão?

Humanizastes?
sentistes a necessidade do calor,
amolecestes como sedimento arenoso,
maleável,suscetível as intervenções
das intempéries.

Não ha coração que não se renda,
aos encantos de uma cortina de renda,
ao tapete macio de boas vindas,
com as luzes de um olhar plangente,
profundo e receptivo.

Quebra toda dureza que for,
faz nascer sobre esta pedra
deixada ali no canto esquerdo,
um viçoso broto de amor.

"QUASE"

foi de repente,
um calafrio invadiu
aquele corpo dormente.

foi ficando longe,
longe,até sumir
no horizonte.

era o fim de um sonho,
desalojar os demônios,
pulsar outros cenários.

rever momentos,
como num vídeo tape,
quadros a quadros...Passados.

foi de repente que vive a morte,
tão lucida quanto minha adolescência,
ali presente.

cheguei ao potão do inferno,
estava fechado pra reforma,
bati então no paraíso,fora de hora.

no limbo vaguei,
encontrei no caminho minha alma,
fizemos um pacto,voltei.

não tinha sido recomendado
pelo dono da excursão,
minha passagem não tinha
o carimbo da extrema unção.


Reginaldo

"RESPOSTA PRONTA"

Quando lhe parecer ser o caminho,
descaminhe.

Quando lhe parecer ser uma fortaleza,
desconstrua.

Quando o norte lhe parecer ser a rota,
desnorteie.

Quando lhe for imposto a ilusão,
desiluda.

Quando o amor lhe bater a porta,
desarme-se.

Quando  for imperioso viver,
desmorra.

Quando enfim for a hora de ir,
dissimule.


Reginaldo

'Tânia"



Tem asas nos olhos,
narinas suaves em voos,
uma boca com sede de vida.

Tens o recomeço 
estampado na face,
a renovação.

Sois pois os dias
escorregadios,lentos 
e pequenininhos.

Sois o aconchego amigo
tronco, aves e ninhos,
ilusões de passarinho.
  

Reginaldo

Porque sua amizade é real e a ilusão é uma verdade intima!

"DESPERTAR DO AMOR "




A VIDA EM PROFUSÃO,
COM TODA ILUSÃO DE SER FELIZ,
VIVER TUDO POR UM TRIZ,
 SABOR,ODOR E MATIZ.

NAMORAR NA CERCA
A MENINA LÁ DE TRAZ,
SENTIR O DESPERTAR
DO QUERER BEM ,
DO GOSTAR.

PASSEAR NOS CAMPOS VERDES,
DE MÃOS DADAS COM ELA,
ENFEITAR SEUS CABELOS
COM CALÊNDULAS AMARELAS.

ALI NO SOPÉ DA COLINA
PERTO DA MINA,
ABRIR A CORTINA
A JANELA PRA FORA E VOAR.

NA ASA DO VENTO
DO DIA LENTO
OUVIR O LAMENTO DA SOLIDÃO,
MURMURANDO POR NÃO ME CONQUISTAR.

ASSIM ANTES DO ENTARDECER,
ROUBAR -LHE UM BEIJO DOCE
ACANHADO ACARICIAR,
DO DESPERTAR DO SENTIR INOCENTE.

VER NO HORIZONTE LONGE 
AS NUVENS QUE REFLETEM O MAR,
TRAZER PRA ELA TODO AZUL,
PRA COLORIR SEU OLHAR.

DEITAR NA RELVA MACIA
DEIXAR O DELÍRIO E SONHAR,
SÓ PRA TER DE NOVO NOS BRAÇOS,
A MENINA DA CERCA PRA AMAR. 

 
Reginaldo

sexta-feira, 6 de junho de 2014

"OUSADA"



Outra vez tuas curvas me atraem,
tua silhueta na penumbra do quarto,
me poe fora de rumo,
ante a visão que alumbra.

Despida de todo pudor,
descortina como encanto
desvela entre quatro paredes,
teus delírios mais loucos.

Insano,recebo teu corpo nos braços,
enlaço até sermos um,
aí devora-me com a sede
de quem encontrou um oásis.

Saciados a exaustão,
apos a profanação do templo,
recolhemo-nos sob o edredom
eximidos de qualquer culpa.

Hoje,só um beijo de boa noite,
de ontem o sabor da primeira vez,
pra amanha...
O amor servido na cama.


Reginaldo