sábado, 30 de novembro de 2013

"DISTRAÍDO"






Tenho andado distante,

por onde nunca antes!
Buscante sigo sozinho,
cortando os caminhos.

Na poeira da estrada,
solitárias pegadas,
pisadas firmes,
outras quase apagadas.

Prados e campinas,
gravados na retina,
belezas de passagens,
vão gerando imagens,
imaginação e pensar.

O Dia e a noite,
são meros companheiros,
a lua e o sol,
são aqueles amigos distantes,
mais sempre presentes,
testemunhando a busca.

O Tempo escorre pelos dedos,
corre,
voa...
Marca o rosto,
surra o corpo,
de branco pinta os cabelos,
sobra no cenário ,
uma silhueta cansada.

Que agora para,
monta estalagem
no pé da colina,
perto da mina,
fonte de vida e
água pura.

Depura...
A alma acalma,
cessa a busca,
mesmo que o encontro não aconteça.

Declina a cabeça,
mergulha no lume de seu ser,
olha pra dentro,
pro avesso,
para o contrário,
vê por outro ponto.

Enfim,
encontra na prateleira do fundo,
numa embalagem discreta ,
coberta de poeira,
esquecido,
abandonado,
o seu "eu". 

Acabou a busca,
tão perto o tempo todo,
precisou dar voltas ao mundo,
com olhar de superfície,
devia ter olhado...

Pro-fundo!



Reginaldo 30/11/2013

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

"PLENITUDE"






Um silencio que se alarde,

barulho de fonte extinta,
sons de fadas e sininhos,
enchem o vazio dos meus sonhos.

Bate asas em desalinho,
descompasso de batidas,
um vulcão que se ameniza,
apetece em chuva fina.

Cenário encantador,
cores de matizes variadas,
fusão de saudade e boas lembranças,
cercam meu momento.

Felicidade enfim se define,
não existe de fato a tal em questão,
será sempre aquele instante,
fragmentado de satisfação.

Aquele momento
que o mundo para,
os relógios travam,
a alto estima extrapola, 
a alma fala...

Felicidade ?

Não existe Felicidade!
Existe fragmentos de instantes,
em que desejamos a eternidade. 


Reginaldo

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

"SONHO AOS PESADELOS"







O Poeta é aquele semeador insistente,

que vai lançando sementes até nos solos
mais rudes,
inférteis,
desérticos...

Esperando a chuva,
o brotar,
o nascer,
esperando...

Tentando reverter a realidade,
colher flores em pedra,
beber água de fonte extinta...
O poeta é um semeador de sonhos,
de delírios,
de anseios...

Um agricultor de ilusões.



Reginaldo 28/11/2013

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

"OLHAR O SOL"



Inacabado,incompleto,
imperfeito,feito assim.

Torto na origem,
projetado pra falhar,
sem peça de reposição.

Como numa produção em série,
corre a esteira da vida,
nada nos difere.

Solto no mundo servil,
lacaio da vida pré-programada,
fruto do progresso que não busquei.

Quero ser mais,não mais um,
mas sou escravo das regras ,
das normas,das leis que não fiz.

Rebelde tenho uma única arma,
será a salvação ou carma,
tenho os olhos da alma.

Na rusticidade,
na truculência,
na frieza do metal vil...

Sou aquela ilha,
que se destaca do arquipélago,
pois consegue olhar o sol.


Reginaldo

"BIANCA"




"BIANCA"

Uma ninfa num casulo de seda,
uma flor ainda em botão,
aguardando a hora,esperando o verão.

Estamos zelando,
cuidando,velando,
ansiando pelo teu chegar...

Pintar de dourado as tardes,
Para colorir os nossos dias,
tirar da neblina o branco,
encher nossas vidas de poesia.

Foi sonho meu,
desejo meu,
ter você é a realização,
quis Deus que fosse Eu.

Como um zeloso jardineiro,
vou preparando o canteiro
retirando as ervas daninhas
esperando Janeiro.

Quando chegar...
Vou andar nas nuvens, pisar na areia branca,
aconchega-la nos braços, te amar como nunca,
meu maior presente,minha filha,minha BIANCA.

Reginaldo

25/11/2013

(Uma homenagem ao meu amigo Diego Souza ,que será Pai muito em breve.)

domingo, 24 de novembro de 2013

"EU VI NA MADRUGADA...INDIGNADO!"





É madrugada...
Uma molecada
sentada ,
caída na calçada,
marolas e maresias,
fumaças de queimadas suspeitas,
ervas de odor irritante,
dilacerantes,
entorpecentes.

Crianças querendo ser gente,
grandes antes da hora,
onde estão os seus pais?

Meninas em bando,
animais no cio,
nocivos a si mesmos.
Sexo ,virgindade,tabu, 
isso é antigo,
moderno é dar,
doar em disputa,
aprendiz de puta.

Madrugada ,que já fora,
outrora inspiração,
pra poesias diversas,
hoje o avesso,
a pressa,
atravessa o caminho,
encurta vidas,saúde.

No escuro a juventude,
perde o lume, o brilho
a luz do dia pode não vir,
pode não ver.

Nas calçadas,
de onde se arribam
um grupo deles,
garrafas de destilados,
amontoados,
ainda deste lado,
mais indo pro lado de lá.

Triste visão,
ao vivo e em cores
sobre a luz de mercúrio,
que eles evitam,
para não evidenciar
a carência.

Ah,madrugada mariense,
que saudade das serenatas,
das conversas na praça,
das brincadeiras de graça,
regada a guarana e groselha,
tontos de tanto açúcar.

Ah ,mais eram doces madrugadas.

Reginaldo 24/11/2013

sábado, 23 de novembro de 2013

"REFUGIO"



Mergulho nas profundezas
das insanas horas,
com o peso na alma
vou submergindo.

Apequenado,
espírito atormentado,
perturbado, sem saída,
perdido nas reentrâncias,
nas ruelas,
nos desvios.

Vou descendo,
descendo,
descendo de uma estirpe
que não se encontrou,
e por não se encontrar
poe tudo a perder.

Tudo estava pronto,
acabado,
perfeito,
não precisava de retoque
arremate,
finalmente.

Agora fujo de tudo
dos outros,de mim.
mergulho profundo,
nas entranhas de um mundo
imperfeitamente criado por mim,
pra mim,
enfim...

Esse sou eu perdido dentro 
da redoma,
na incubadora,
no ventre da terra,
que esta se contorcendo
em contrações,
é chegada a hora do parto,

partir...

Adeus.


                                                             Reginaldo

                                                                                                                                                                

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

"BOLA DE SABÃO"


Bola de sabão,
cheio de sopro meu,
deu ao vento as mãos
e voou.

Foi fugida de mim,
foi levar o meu "eu"
pra longe daqui.

Foi ver os amigos que se foram,
os que ficaram mais não estão aqui,
Foi ver se tem arco-iris na escuridão.

Vai voando ao leu,
sem rumo,
sem remo,
sem direção.
O vento que te aliciou,
agora nega-te o pousar.

Ai de mim ,
triste fim ,
perdido a merce do vento,
sem tempo pra regressar.

É assim viver,
uma sentença de morte,
que te empurra pra frente.

Livre prisioneiro,
viajante solitário,
nesta aventura insana
que atende por
destino.

Lindo e colorido,
até que o tempo sopra,
interrompe o voo
da minha "bola de sabão"


Reginaldo



quinta-feira, 21 de novembro de 2013

"PASSATEMPO"






Porque o tempo passa,
eu estou aqui,
porque o tempo passa,
eu cheguei aqui,
porque o tempo passa,
eu me fiz assim.
porque o tempo passa!

Passo a passo,
no espaço e no tempo,
sigo ...
Mesmo sabendo que passa o tempo,
não lamento,me reinvento,
em novas versões.

Sou eu hoje,o melhor que da pra ser,
me lanço e relanço em formas difusas,
confusas,para pouco entendimento.

Sou um incompleto,quase cheio
de tudo ,mais ainda vazio de muito.

Porque me falta tanto?

Não quero respostas!

Quero tentar passar despercebido...
Como passa o tempo.

Passando





Reginaldo 21/11/2013

terça-feira, 19 de novembro de 2013

"NEM QUE FOSSE SÓ PRA DIZER QUE..."






Não aprendi a chorar,
mesmo quando insistentes,
as lagrimas me fogem,
disfarço,
coço os olhos,
desvio olhar...

Contemplando as belezas,
só aprendi a sorrir,
olhar os colibris,
a vida colorir,
misturar as matizes...
Aquarelar.

Gosto das cores,
do verde das matas,
do cheiro das flores,
dos rios,das cascatas,
das corredeiras apressadas,
do lento leito dos córregos.

Poderia até,quem sabe,
quando dentro não cabe,
deixar escapar uma gota,
nem que fosse de contentamento,
de alumbramento ao tempo...

Nem que fosse,
uma única só Lagrima...

De Agradecimento!



Reginaldo 14/11/2013

"SÓ PRA FALAR DE AMOR..."




Vou recitar Cecília.
com voz empostada,
pausada, 
um inefável poema.
Que tenha amor como tema!
Vou recitar Cecilia,
Pra quebrar o que empecilha,
de todas as formas e redondilhas, 
falar de viver ,
de doer,
de sofrer,
de ilusão ,
de inspiração,
falar de flor,
falando de tudo isso,
falarei de amor. 

"ESPERANDO O VENTO"


tudo que escrevo sou eu,
tenho como referencia 
o cotidiano 
e tudo a meu cerco,
moro no mato,
não sei falar de mar,
sou água de encosta,
que desce em curso lento.
Vou molhando,
pouco ou muito
encharcando,
vou formando regato,
remanso,
riacho.
Um cacho de palavras,
sem nexo,
sem encaixe
Tudo sou eu,
nada sou eu
Apenas escritos
na areia,
que o vento não soprou...
Ainda.
Sigo a procura do vento!

Reginaldo

"ANCORADOURO"



Hoje chega,
meu barquinho não sai 
mais pra pescar,
arrumou uma sombra,
laçou-se em uma arvore,
abraçou o sono.

E sonhou com o amanha, 
com o sol, 
as nuvens,
os pássaros,
o céu azul e com o azul dos olhos dela.

Hoje chega as narinas,
o cheiro de daqui a pouco
assim meio sem graça,
pensando que ainda é cedo.

É tarde e logo sera mais tarde ainda,
sonhando sigo,
com outro alvorecer,
com o florescer doutro dia,
mais encantador do que hoje,
porque...Hoje chega!

domingo, 17 de novembro de 2013

"PROMESSA"


DESEJO...
DAR-TE TUDO QUE FOR MEU,
REPARTIR CONTIGO 
O NADA QUE TENHO.

POR FAVOR ,
DA OFERTA NÃO DESDENHE.

VOU DESNUDAR-ME POR COMPLETO,
DAR-TE-EI  MINHA ALMA PURA,
CASTA,
INTACTA.

ONDE A MALDADE 
AINDA NÃO BROTOU,
VIRGEM ,
SEM MACULA,
TERRENO PRONTO 
PRA SEMEADURA.

ESPERO QUE ACEITE,
O CONVITE,
NÃO MAIS ME EVITE,
JUNTE SUA TRALHAS,
CAMINHE NAS TRILHAS
QUE TE LEVEM ATÉ
O BRILHO DOS OLHOS.

ACHE O PORTAL E ENTRE
FLORESÇA
AQUEÇA,
E NÃO ESQUEÇA.

MINHA ALMA SERÁ OÁSIS,
FONTE DE ÁGUA PURA,
VERDE E MUITA VIDA
QUANDO TOCA-LA.

NÃO DESERTIFIQUE,
CERTIFIQUE-SE
E ME ACEITE!

PROMETA!! 

sábado, 16 de novembro de 2013

"SONHANDO "


Pra meu bem,
pra me fazer bem,
pra me declarar,
ao amor de quem
sou refém...

Vou cantar a capela
embaixo da sua janela...

A musica dela!

Vou recitar Cecília.
com voz empostada,
pausada, 
um inefável poema.

Que tenha amor como tema!

Espero o despencar suave
de um beijo jogado,
pela fresta da persiana.

Voltar a sonhar,
virar para o canto
sem quebrar o encanto...

Sem despertar!

"DESALUMIADO"




Conjunção,
confusão de sentir,
as estrelas descem,
posso tocar o céu,
onde a lua estremece.
Adoece o morrer do dia,
floresce vivo o viver,
nasce!
Chega na brisa o perfume,
teu cheiro me invade,envolvi,
entorpece esse pobre nobre,
sem lume!


Reginaldo

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

"SIMBIOSE"

noite agitada,
pernas, desejos ,lençóis...

eu e você a sós,
testemunham paredes mudas.

segredos mantidos,
ocultos em sussurros e gemidos.

o mundo todo se resume ,
o pequenez do meu quarto.

a grandeza deste entregar-se mutuo,
rende loucas sensações.

tentado a querer eternizar momentos,
acordo em lamentos infinitos.

o dia se faz  fora deste quelônio,
foi  mais um delírio,outro sonho.

desperto pro verso e reverso da vida,
pro pesadelo real,amanheceu!

voa o tempo,sopra o dia pra longe,
vem a noite e os lençóis...

de novo somos eu e você ,
a sós!